Em sua 12ª edição, o Prêmio Professores do Brasil é uma iniciativa do Ministério da Educação para reconhecer e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuam significativamente para os processos de aprendizagem e ensino nas salas de aula.

Inscrições começam dia 15 de abril e podem ser feitas somente pelo site

Todos os professores de escolas públicas da educação básica podem se inscrever enviando um relato de prática pedagógica que foi desenvolvido por alunos. A prática pode ser uma experiência, um projeto, um processo implantado ou até mesmo uma aula que tenha modificado a relação entre professor e aluno e contribuído para a melhoria das práticas pedagógicas.

O Projeto Professores do Brasil oferece vários prêmios. Na categoria nacional, seis vencedores são premiados com R$ 8.000,00, um troféu e uma viagem de estudo pelo país. Na regional são 30 vencedores, com R$ 5.000 para cada e a distribuição de medalhas. Os melhores projetos na categoria regional ganham certificados do MEC e medalhas.

Os professores também podem concorrer em temáticas especiais, como “O esporte como estratégia de aprendizagem”, “Uso de tecnologias de informação e comunicação no processo de inovação educacional”, “Boas práticas no uso de linguagens de mídia para as diferentes áreas do conhecimento no ensino fundamental e médio”, “Práticas inovadoras de educação científica” e “Educação empreendedora”.

Saiba mais detalhes

Projeto de Bauru venceu prêmio estadual em São Paulo

Na última edição, vários projetos da rede pública do estado tiveram destaque. O vencedor saiu de Bauru, na E.E. Profa Marta Aparecida Hjertquist Barbosa. A professora Rosalina Golçalves relatou a prática “Sete Maravilhas de Bauru”, que tinha como objetivo formar um sarau de poesias e expressões artísticas a partir da cidade. “O projeto une leitura e escrita fundamentada, a partir de um objeto real, unido capacidades de imaginação e escrita. Queríamos traduzir a escola em rimas”, explica a professora.

A ideia da professora era unir conteúdos de língua portuguesa, história e matemática a partir de lugares históricos e pontos turísticos pouco visitados, muitas vezes próximos de onde os alunos moravam. “Mudou tudo pra mim. Agora fazemos mais atividades em grupo e atividades diferentes, fora da aula”, cita o aluno Keimoel Raauel

 

 

Fonte Oficial: Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Melhores Escolas.

Comentários