O raquitismo é uma doença caracterizada pela deficiência na mineralização da cartilagem de crescimento. Essa doença manifesta-se na criança no retardo de seu crescimento, além de algumas deformações no seu esqueleto.

O raquitismo pode ser subdivido em dois tipos, de acordo com suas causas, sendo o raquitismo hipocalcêmico causado pela resistência à ação da vitamina D ou sua deficiência, e o hipofosfatêmico causado pela perda de fosfato nos rins.

O raquitismo é caracterizado por retardo do crescimento e deformidades ósseas, como o encurvamento de ossos longos.

Leia também: Sais minerais — elementos muito importantes para a constituição dos ossos

Sintomas do raquitismo

Os sintomas do raquitismo são diversos, e seu diagnóstico deve ser realizado com avaliação clínica, como exames laboratoriais e de imagem. Os sintomas podem começar a surgir desde o primeiro ano de vida. Dentre os principais deles, podemos destacar:

  • atraso no crescimento;
  • atraso no desenvolvimento motor;
  • atraso no fechamento das fontanelas cranianas, conhecidas popularmente como moleiras;
  • ossos longos encurvados e com as extremidades alargadas;
  • deformidades na coluna, como escoliose;
  • dores musculares, e outros.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

Causas do raquitismo

O raquitismo pode ser causado por diversos fatores, como:

  • deficiência de vitamina D;
  • carência nutricional;
  • fatores hereditários;
  • doenças hepáticas;
  • doenças renais;
  • deficiência de cálcio ou fósforo, e outros.

Vitamina D

A vitamina D pode ser encontrada em alimentos como derivados do leite, gemas de ovos e peixes, como salmão e sardinhas.

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel e tem como função auxiliar na absorção e utilização do cálcio e na utilização do fósforo pelo organismo. Diante disso, tem papel fundamental na formação óssea. A sua deficiência é uma das principais causas de raquitismo e osteomalácia.

A vitamina D pode ser adquirida pelo organismo por meio da dieta. Derivados de leite; gema de ovos; cogumelos; óleos de fígado de peixes como bacalhau e atum; além de partes comestíveis de peixes ricos em gordura, como sardinha, atum e cavala, são fontes dessa vitamina.

Além  disso, a vitamina D pode ser sintetizada em nosso organismo com base em precursores como o ergosterol, que tem origem vegetal, e o colesterol, de origem animal. Esses precursores são obtidos por meio da alimentação e convertidos em 7-dihidrocolesterol.

Mediante nossa exposição ao calor do Sol e seus raios ultravioletas, o 7-dihidrocolesterol é convertido em vitamina D2 (ergocalciferol) e vitamina D3 (colecalciferol). Em seguida, ambas serão convertidas no fígado em 25-hidroxivitamina D, que é a forma mais abundante de vitamina D e a utilizada como marcador de sua deficiência.

Depois, nos rins, será sintetizada a forma mais ativa dessa última vitamina: 1,25-dihidroxivitamina D. O 1,25-dihidroxivitamina D atua no organismo das seguintes formas:

  • mantém os níveis de cálcio sérico;
  • estimula a absorção de cálcio e fósforo pela mucosa intestinal;
  • estimula a reabsorção de fosfato pelos rins;
  • estimula a deposição óssea de cálcio e fósforo;
  • estimula a reabsorção óssea de cálcio e fósforo, entre outras.

A insuficiência de vitamina D não se restringe às deficiências do metabolismo de fósforo e cálcio, estando também associada a outras doenças, como diabetes, câncer, esclerose múltipla, doenças cardiovasculares etc.

Desse modo, esse tipo de insuficiência pode ocorrer por diversos fatores, dentre os quais podemos destacar a falta de exposição ao Sol, idade avançada, hábitos alimentares inadequados etc. Caso tenha mais interesse no assunto, leia nosso texto: Vitamina D.

Acesse também: Filtro solar ideal

Raquitismo nutricional

O raquitismo nutricional pode apresentar casos em que as manifestações clínicas não são tão evidentes, apresentando, muitas vezes, apenas comprometimento no crescimento, e pode manifestar-se em qualquer faixa etária.

O diagnóstico nesses casos requer mais exames, não ocorrendo apenas devido à deficiência de vitamina D ou cálcio no organismo. O tratamento é realizado com administração de vitamina D.

Diferença entre raquitismo e osteomalacia

Como dito, o raquitismo é uma deficiência na mineralização da cartilagem de crescimento e manifesta-se na criança. Já a osteomalacia caracteriza-se pela deficiência na mineralização da matriz óssea no esqueleto do adulto. As causas da osteomalácia são semelhantes às do raquitismo, sendo a deficiência de vitamina D a principal delas.

Leia também: Tecido ósseo, tecido conjuntivo com matriz rica em fosfato de cálcio

Prevenção e tratamento do raquitismo

A exposição solar é uma boa forma de prevenção contra o raquitismo, pois auxilia na síntese de vitamina D.

Como a principal causa de raquitismo é a deficiência de vitamina D, é recomendada a suplementação preventiva a partir dos dois meses de vida seguindo a orientação médica. A exposição solar também auxilia na prevenção, para isso, deve-se estar atento aos horários de exposição, a fim de evitar outros problemas de saúde. A ingestão de alimentos ricos em vitamina D, fósforo e cálcio também auxilia na prevenção.

O tratamento do raquitismo vai depender de cada caso, e as causas do raquitismo também devem ser consideradas para o tratamento. Este deve ser iniciado precocemente para impedir a progressão das deformidades ósseas.

Por
Helivania Sardinha dos Santos

Fonte Oficial: UOL Educação.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Melhores Escolas.

Comentários